sábado, 20 de janeiro de 2018

Mensagens Subliminares na Moda de 2018 X Vesteterapia

Mensagens Subliminares na Moda de 2018 X Vesteterapia
Desde quando comecei a escrever sobre Vesteterapia, a terapia através das roupas, nas redes sociais várias pessoas me mandaram mensagens pedindo para que eu comentasse sobre a relação da moda de 2018 com a Vesteterapia.
Por isto, hoje decidi escrever sobre as mensagens subliminares na moda deste ano, onde se sobressaem a estampa de unicórnio e a gola chocker.
Desde 2017, uma estampa que vem aparecendo, pouco a pouco nas roupas é a figura mítica e mística do unicórnio. Isto não é à toa. Pois este animal, ao mesmo tempo, que representa a virgindade, também, remete aos direitos LGBT que vem ganhando força a cada dia.
O chifre do unicórnio seria uma antena que recebe mensagens do Poder Superior. O ser humano busca cada vez mais desenvolver sua intuição através do terceiro olho que, no caso, seria o chifre do unicórnio.
Outro traje que está despontando na moda de crianças e adolescentes é uma blusa, com estampa de unicórnio, acompanha de uma saia, ou, shorts com as cores do arco-íris. Reza a lenda que se um unicórnio der um coice em uma pedra, um arco-íris sairá dela provando que por mais dura que uma criatura seja, ela possui um colorido em seu interior. Também desponta, na moda, a tiara com chifre, de unicórnio, enfeitada com flores.
O conjunto da saia, com as cores do arco-íris, junto com a tiara de flores faz referência à Lenda da Cigana do Unicórnio do Amor, onde Virgínia, a cigana, vestia uma saia rodada colorida e a fada deste conto tinha um tutu de bailarina, com as cores do arco-íris junto com uma tiara de chifre de unicórnio acompanhada de flores na cabeça.
Outro detalhe que está na moda desde o ano passado e vai brilhar até o final deste ano é a gola chocker.
 A blusa com gola chocker, que é uma camiseta justa com uma espécie de coleira costurada junto a ela. 
Esta peça fez sucesso na década de 60 com as estrelas de filmes de Hollywood e com as cantoras da Jovem Guarda. Depois estilistas tentaram relançar este modelo de blusa em 1986, mas não tiveram sucesso. 
Porém a origem da gola chocker tem mais de 3000 anos antes de Cristo e, segundo a lenda, foi criada pela deusa da Castidade da Mesopotâmia. 
Diz o mito que naquela região havia uma deusa virgem, que não aceitava pretendente nenhum. Num dia de inverno, ela brigou e gritou em voz alta com a deusa Istar, que retirou a voz da donzela. A moça ficou chateada, dormiu e teve uma visão de uma espécie de anjo que lhe ensinou a fazer uma peça de roupa para curar sua garganta. No dia seguinte, esta jovem pegou seu tear de costura e fez um vestido grudado com uma espécie de coleira cobrindo o meio da sua garganta. Após três dias, vestindo esta roupa, sua voz voltou. Deste jeito, ela costurou várias peças do mesmo modelo. Mais tarde Marduk, o chefe dos deuses nomeou esta donzela como deusa da castidade, virgindade, Poesia e Literatura. 
A gola chocker acompanhada de um decote “V” significava o lado escuro, mas necessário, de toda a mulher. Este símbolo também significa o Sagrado Feminino.
Já a gola chocker junto com um decote em forma de meia-lua representava o sorriso e a alegria. 
Mais tarde, na Mesopotâmia, surgiu uma escritora e poetisa chamada Enheduana, que dizia conversar com a deusa da Poesia e da Castidade. Ela foi princesa e sacerdotisa, sem falar que foi uma das primeiras escritoras a fazer poemas considerados feministas. Além disto, esta poetisa lutou pela alfabetização das meninas naquela região. Por ter visões com a deusa da virgindade, a escritora passou a se vestir como esta entidade com seus vestidos de gola chocker. 
Durante o Brasil-Colônia, muitas escravas eram vendidas com correntes grossas no pescoço e isto fazia com que elas ficassem com marcas horríveis. Então, nas senzalas, elas adaptaram roupas que disfarçassem estas marcas e passaram usar a gola chocker cobrindo o pescoço. 
Já para o inverno deste ano, os casacos com estampas xadrez estarão a todo o vapor. O xadrez significa coragem e a força dos quatro elementos: água, ar, terra e fogo.
Luciana do Rocio Mallon






Lenda da Cigana do Unicórnio do Amor

Lenda da Cigana do Unicórnio do Amor
Na Idade Antiga, existia uma cigana, chamada Virgínia, que desde criança era órfã de pai e mãe, que morreram de doença. Por isto ela foi criada pela sua avó, Sônia, dentro do seu clã nômade. Um dia Sônia ficou muito doente. Então Virgínia foi para a floresta e fez a seguinte prece:
- Santa Sara, por favor, faça com que minha vó continue ainda viva por mais dez anos. Em troca, prometo que não deixarei homens encostarem em meu corpo e nunca me casarei. Assim ficarei invicta para sempre.
Quando a jovem chegou ao seu acampamento viu que sua vó melhorou e já estava de pé.
Virgínia, que era ótima costureira, passou a confeccionar anáguas para vender e ela mesma passou a usar sete anáguas embaixo de sua saia rodada. Além disto, ela começou a utilizar um cinto de castidade. Pois como gostava de passear muito por matas fechadas, tinha medo de ser abusada por homens que se escondiam nas florestas, como vickings e saqueadores, por exemplos.
A partir da cura da sua vó, Virgínia que gostava de brincar com animais nas florestas, também passou a receber visitas de outras criaturas, os unicórnios, porque eles só se aproximam de moças que sonham em se manter virgens para sempre.
Numa tarde de primavera, um agricultor chamado Alexandre avistou esta cigana brincando com os unicórnios e se apaixonou por ela. Mas quando tentou se aproximar da donzela, os unicórnios expulsaram este rapaz do lugar.  
Depois o moço tentou conversar com Virgínia quando ela estava, na estrada, caminhando para vender anáguas na aldeia. Porém ela simplesmente ignorou o moço.
Assim o rapaz começou a se lamentar na mata:
- Eu queria tanto que a cigana dos unicórnios se apaixonasse por mim!
Como um sopro, uma fada apareceu vestindo um tutu de bailarina colorido, um arco com flores nos cabelos e chifre de unicórnio na mesma tiara:
- Eu posso realizar seu sonho!
- Mas, precisarei transformar a sua pessoa em um unicórnio.
O moço exclamou:
- Aceito!
A fada explicou:
- Porém tem um detalhe: você nunca deverá aparecer para a cigana nas tempestades.
O rapaz acenou com a cabeça e a fada transformou este ser num unicórnio.
Naquela mesma tarde, Alexandre no formato de unicórnio, avistou sua amada colhendo flores. Assim ele ficou atrás da moça que , de repente, caiu no chifre dele. O chifre penetrou as anáguas e o cinto de castidade da jovem de uma maneira sobrenatural. Porém ao invés da moça sentir dor, ela deu um sorriso contente e depois beijou o unicórnio.
Por isto esta criatura mítica passou a se encontrar com Virgínia todas as tardes. Num dia destes, como um raio, começou a chover. Então o unicórnio transformou-se em homem, novamente, na frente da amada. Porém ela não se assustou e reza a lenda que os dois continuam juntos até hoje, no astral, rodeados de unicórnios e flores.
Luciana do Rocio Mallon






Brinquedo na Juventude, Dona do Jogo na Maturidade

Quando você é jovem, aceita e acha até bom ser o brinquedo de alguém. Mas quando sua pessoa amadurece logo se torna a própria dona do jogo transformando-se no espírito que zela pelo parquinho.
Luciana do Rocio Mallon

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Febre Amarela X Odio Vermelho X Egoísmo Roxo

Em tempos de Febre Amarela, as pessoas se agridem na fila da vacina. Pois não há remédio para o ódio vermelho e nem para o egoísmo roxo de ruim. A febre será sempre amarela enquanto as pessoas não descobrirem a força do arco-íris.

Luciana do Rocio Mallon

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Princesa Catarina X Cigano Igor

Princesa Catarina X Cigano Igor
Na novela medieval, Deus Salve o Rei, Bruna Marquezine que interpreta a Princesa Catarina está sendo criticada pela atuação. Alguns críticos dizem que ela está artificial e compararam seu desempenho com a atuação de Ricardo Macchi quando interpretava o cigano Igor na novela Explode Coração.
Na verdade a atuação de Bruna não está ruim. Pois, na Idade Média, as princesas falavam pausadamente, tinham a linguagem rebuscada e o olhar parado porque tudo isto fazia parte do charme da época.
Inclusive eu gostaria de ver a Bruna Marquezine contracenando com o Ricardo Macchi nesta novela. Seria interessante se um cigano, interpretado por este ator, chegasse ao reino e a princesa Catarina se apaixonasse por ele.
Luciana do Rocio Mallon       



terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Desrespeito Contra as Vítimas de Balas Perdidas

A música chamada, Que Tiro Foi Este?, da cantora Jojo Toddynho é um desrespeito contra as vítimas de balas perdidas.
Pelo título eu esperava uma canção de protesto contra a violência. Porém a letra só tem futilidades como: pegação e festa.

Luciana do Rocio Mallon        

Phubbing

Phubbing
Minha vó dizia com um olhar cheio de paz
Se, por acaso, num encontro algum rapaz
Olhar para o relógio no lugar da sua pessoa
Este é um sinal pior de uma gelada garoa
Pois, o moço não está interessado, por isto o tempo nem voa

Aprendi isto e ainda bem que não sou carente
O problema desta realidade nada inocente
É que hoje, em dia, se seu pretendente
Olhar para o celular a todo o segundo
Significa que a paixão está decadente
Então, é melhor abandonar este cara no mundo

Quem esnoba alguém para ficar ao telefone
É mais metido que bombom em papel celofane
Phubbing é o nome desta atitude cruel
Que aproxima o inferno e afasta o céu

No jantar a criança não comenta como foi o colégio
Pois se alimenta com o celular na mão, que sacrilégio!
Numa reunião com os amigos em restaurantes
Só surgem selfies ousadas e deselegantes!

O celular é a vara mágica que tira tudo do lugar
Afasta quem está perto e aproxima quem está longe
Só para tirar fotos é que o povo se lembra das flores e do luar
Deste jeito, penso em me transformar num ermitão monge

Por culpa do phubbing ninguém paquera mais nas festas
Porque os jovens preferem os aplicativos de encontros
Ninguém mais declama poemas em bares e serestas
Estes smartphones são verdadeiros monstros.
Luciana do Rocio Mallon